Embrapa: áreas protegidas ocupam 30% do território brasileiro

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

POLÊMICA

 

A polêmica sobre a questão do desmatamento no Brasil continua repercutindo na mídia, tendo de um lado a modelo Gisele Bündchen e de outro a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. Gisele tem criticado as leis ambientais e a atuação do governo na preservação de florestas. A ministra, por sua vez, protestou contra os ataques à imagem do Brasil no exterior. “É um absurdo o que eles fazem hoje com a imagem do Brasil. Vão lá fora levar uma imagem do país e do setor produtivo que não é verdadeira”, disse a ministra. A modelo retrucou dizem que “maus brasileiros” são aqueles que são responsáveis “pelo desmatamento ilegal e a grilagem de terras públicas”.

Para ela, “a produção agropecuária e a conservação ambiental precisam andar juntas para que nosso desenvolvimento possa ser sustentável e longevo”, disse. A ministra encerrou a polêmica pelo Twitter: “Vamos construir juntas uma agenda contra o desmatamento ilegal e a grilagem”, escreveu. Em nota, o Ministério da Agricultura disse que será enviada uma resposta mais completa para Gisele Bündchen.

 

Quem quiser saber mais sobre o assunto pode acessar na internet um vídeo no qual o pesquisador Evaristo de Miranda, diretor da Embrapa Territorial, apresenta números oficiais que contestam frontalmente a ideia de que o Brasil é um devastador ambiental, imagem bastante difundida por alguns ambientalistas.

Miranda revela, por exemplo, que as áreas protegidas (unidades de conservação ambiental e áreas indígenas) ocupam 30% do território brasileiro, contra apenas 13% dos Estados Unidos, 17% da China, 19% da Austrália e 9,7% da Rússia. E demonstra, com base na legislação atual e em dados de satélite (até da NASA), que os produtores rurais brasileiros, tão acusados, são os maiores responsáveis pela proteção de áreas florestais no Brasil.

  Publicações

  Para pensar