1. Home
  2. >
  3. Não deixe de ler
  4. >
  5. O ‘visto dourado’ no centro de...

O ‘visto dourado’ no centro de uma polêmica

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

PORTUGAL

 

 

 

Em Lisboa, capital de Portugal, o incorporador imobiliário Pedro Vicente teme que o volume de negócios de sua empresa esteja prestes a sofrer um baque. “Perderíamos 30% do nosso negócio se os vistos dourados fossem abolidos”, calcula ele, referindo-se ao visto que tem atraído cada vez mais dinheiro ao país, principalmente de chineses e brasileiros, e ao risco que vê no horizonte de essa via – que tem o setor imobiliário como o maior beneficiado – estar com os dias contados.

O site da BBC Brasil informa que um projeto de lei pede a extinção desse tipo de visto, apontando supostos riscos associados ao sistema de concessão e pondo em dúvida os reais benefícios que os investimentos decorrentes dele têm gerado para a economia.

O visto dourado é como é conhecido o regime de Autorização de Residência para Atividade de Investimento, criado em 2012 para atrair investidores estrangeiros a Portugal e movimentar o mercado interno do país, então mergulhado em uma crise.

O mecanismo exige que os investidores aportem milhares de euros – o equivalente a milhões de reais – em áreas como imóveis, fundos de investimento, pesquisa científica ou no apoio, por exemplo, à produção artística. Em contrapartida, eles podem obter residência permanente no território português e, depois de seis anos, a cidadania.

Os brasileiros estão em segundo lugar no ranking dos estrangeiros que mais investem no país por meio desse regime – atrás dos chineses.

A crítica ao sistema está sendo liderada pelo Bloco de Esquerda, partido político português de extrema-esquerda socialista, que faz parte da coalizão não oficial de apoio ao governo minoritário. O partido argumenta que os candidatos aos vistos dourados não são suficientemente investigados no processo de avaliação, o que acaba abrindo caminho para que criminosos estrangeiros também obtenham o documento. O partido também argumenta que esses investimentos não criaram empregos o bastante.

Leia a íntegra da reportagem no site da BBC Brasil.  

 

 

  Publicações

  Para pensar