1. Home
  2. >
  3. Não deixe de ler
  4. >
  5. Populismo envenena a ordem liberal global

Populismo envenena a ordem liberal global

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

Não deixe de ler

 

 

 

Francis Fukuyama, pesquisador sênior do Centro para a Democracia, Desenvolvimento e Estado de Direito, na Escola de Direito da Universidade Stanford

e

Robert Muggah, cofundador do Instituto Igarapé e do SecDev Group.

 

 

Quer surjam nos Estados Unidos, na Europa ou na Ásia, os populistas são previsíveis.

Seus primeiros alvos em geral são os imigrantes e as elites. Eles convocam os cidadãos “verdadeiros” a retomar sua pátria, por meio de muros nas fronteiras e protecionismo comercial.

A imprensa livre também sofrerá ataques e será descrita pelos populistas como propagadora de desinformação (fake news) e inimiga da verdade.

Em seguida, o populista voltará suas armas contra os mecanismos do Judiciário e do Legislativo responsáveis por contrabalançar o poder do Executivo.

Apesar da preocupação mundial diante de populistas como Donald Trump nos Estados Unidos, Recep Tayyip Erdogan na Turquia e Viktor Orban na Hungria, ainda existe confusão considerável sobre o que é (e não é) populismo.

A partir das múltiplas definições de populismo que estão em circulação, é possível destilar três características essenciais: criação de políticas públicas populares, mas insustentáveis; designação de um grupo populacional específico como único membro “legítimo” da nação; e adoção de um estilo de liderança altamente personalizado, com ênfase no relacionamento direto com “o povo”.

Há um consenso cada vez maior de que o populismo representa grave ameaça à democracia liberal e à ordem liberal internacional, sobre as quais a paz e a prosperidade repousaram nas duas últimas gerações.

Democracias dependem de arranjos de poder compartilhado, tribunais, Legislativos e imprensa livre e independente, a fim de contrabalançar o poder do Executivo. Como essas instituições obstruem o livre reinado dos populistas, elas com frequência terminam sujeitas a ataques ferozes.

Isso é especialmente verdade no caso do populismo de direita que está se espalhando nos Estados Unidos e na Europa.

A ordem liberal internacional depende, por sua vez, de instituições como a Organização das Nações Unidas, a Organização Mundial do Comércio (OMC), o G20, a União Europeia, o Acordo Norte-Americano de Livre Comércio, entre outras, para facilitar o movimento de bens e investimentos entre os países.

Todas elas, somadas aos princípios e valores subjacentes que as levaram a surgir, estão na mira dos políticos populistas já há alguns anos.

Diversos fatores têm facilitado a disseminação dessa cepa virulenta de populismo.

Primeiro, há fatores econômicos associados ao declínio da classe média ocidental e à hiperconcentração de renda nas mãos da elite. Depois, há a fraqueza política intrínseca das democracias, dependentes como são de coalizões fragmentadas e de eleitorados divididos. Essas deficiências são exploradas rotineiramente por homens fortes carismáticos.

Igualmente importantes são fatores culturais associados ao ressentimento quanto aos recém-chegados e à sensação, por parte de algumas pessoas, de que seus países foram tomados por estrangeiros.

Esses fatores explicam por que a imigração, ao menos no Ocidente, serve de polo de atração para a hostilidade dos populistas.

Devido em parte a intervenções militares fracassadas no Oriente Médio e a controles falhos de imigração e fronteira, o influxo de imigrantes e de pessoas que solicitam asilo nos últimos dez anos exacerbou as preocupações relativas a uma transformação cultural acelerada nos Estados Unidos e na Europa.

Não surpreende, portanto, que as questões identitárias — étnica, linguística, religiosa ou sexual — estejam rapidamente substituindo as disputas de classe como característica definidora da política contemporânea.

TRUMP – O futuro da ordem liberal internacional depende em grande parte do futuro do populismo nos Estados Unidos. O país, afinal, é o grande arquiteto e guardião do arranjo vigente nos últimos 70 anos. Se os americanos retirarem seu apoio à organização global tal como ela é, provavelmente o sistema desmoronará.

Há sinais de que os contrapesos e limites constitucionais dos Estados Unidos estão resistindo à tempestade, apesar dos esforços de Trump. A verdadeira questão, no entanto, é se o presidente e o Partido Republicano conseguirão manter seu controle sobre o governo depois da eleição legislativa americana deste ano.

Trump enfrenta no momento a ameaça representada pela investigação sobre a interferência da Rússia na eleição de 2016, mas existem sinais de que ele pode sobreviver à disputa legislativa de 2018 e até conquistar um segundo mandato.

Os motivos para isso se relacionam ao desempenho excelente da economia dos Estados Unidos. Embora Trump não possa reivindicar todo o crédito por isso, o recente corte de impostos provavelmente será visto como um aspecto que colaborou para a prosperidade geral, a despeito de sua contribuição para o déficit fiscal no longo prazo.

A transição firme do Partido Democrata rumo à esquerda do eleitorado americano e o foco insistente da legenda em políticas de identidade são uma dádiva para os apoiadores de Trump. O que importa não são os tuítes, mas a economia.

Não é exagero dizer que o destino da ordem liberal internacional se equilibra de forma precária nessa balança.

Se os democratas reconquistarem a maioria do Congresso americano em 2018 e depois retomarem a Casa Branca, é provável que Trump passe para a história como uma aberração desagradável.

Se os democratas perderem em 2018 e Trump conquistar um segundo mandato em 2020, a polarização se aprofundará nos Estados Unidos, e o ataque às instituições liberais provavelmente se intensificará.

A retirada americana das instituições que garantem a ordem internacional continuará, e o poder fluirá do oeste para o leste. A transição de um mundo unipolar para um mundo multipolar se acelerará, com consequências perigosas.

Mesmo que desconsideremos Trump, existem motivos para ver os populistas como ameaça real à ordem liberal internacional.

Para começar, eles costumam subestimar as mudanças sistêmicas geradas pelos avanços na tecnologia. Diante da enorme ruptura que será provocada pelo avanço da automação, há apelos superficiais para trazer a indústria de volta e discussões levianas sobre uma guerra comercial com a China.

Também há sinais preocupantes de que os populistas estão se alinhando internacionalmente, como na República Checa, na Hungria, na Polônia e na Sérvia, com implicações preocupantes para a integridade de instituições como a ONU, a União Europeia e a Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Uma coisa é certa: a estrada que temos adiante de nós é radicalmente incerta.

 

 

Este artigo é parte da iniciativa Phil Lind de estudos sobre os Estados Unidos, que trata do futuro da ordem liberal internacional. A série é liderada por Robert Muggah e Taylor Owen e destaca Ed Luce, Steven Pinker, Anne-Marie Slaughter, Francis Fukuyama, Susan Rice e Misha Glenny, sob os auspícios da Escola de Políticas Públicas e Assuntos Internacionais da Universidade da Columbia Britânica.

  0 Comentários

  Publicações

  Para pensar