Incerteza é a marca da pré-campanha

11-05-2018

 

 

As várias pesquisas de intenção de voto para presidente da República, que em alguns cenários apresentam ao eleitor quase duas dezenas de pré-candidatos, não escondem as muitas incertezas do processo eleitoral de 2018. A opinião é compartilhada pelos cientistas políticos Rogério Schmitt e Rubens Figueiredo, colaboradores do Espaço Democrático – a fundação para estudos e formação política do PSD.

“Nas últimas eleições presidenciais nos acostumamos à bipolarização entre PT e PSDB e agora a dúvida que temos é se este perfil vai se repetir ou se haverá um realinhamento de um dos polos, com o surgimento de uma terceira força”, diz Schmitt. “As pesquisas mostram intenção de voto maior para candidatos com pouco tempo de TV e de partidos que não tem grande estrutura, e a história mostra que as grandes movimentações de voto decorrem da propaganda na TV”, aponta Figueiredo.

Nesta entrevista ao jornalista Sérgio Rondino, para a TV Espaço Democrático, Schmitt e Figueiredo fazem uma ampla análise conjuntural da pré-campanha. Falam, além das pesquisas, do peso das estruturas partidárias nas eleições, sobre a imponderável participação de Luiz Inácio Lula da Silva no processo – como candidato ou cabo eleitoral – e da grande novidade deste pleito: a cláusula de barreira. Assista.