Guilherme Afif: ‘Só faz gol quem está na área’

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

ARTIGO

 

 

 

Guilherme Afif Domingospresidente licenciado do Sebrae Nacional e do Espaço Democrático

 

Por mais que as pesquisas falem do desânimo do brasileiro, da desmotivação com a política, com a economia e mesmo com o futebol, apesar de ser ano de Copa do Mundo, nosso povo é conhecido pela resiliência e pela capacidade de sobreviver às crises.

Qual país enfrentou tantos altos e baixos, tantos planos econômicos, rupturas políticas de todas as ordens e ainda é uma das maiores economias e democracias do mundo? Qual país, com tantos títulos no futebol mundial, perde uma Copa em casa de goleada – sem falar na famigerada derrota de 1950 no Maracanã pro Uruguai — e ainda é um dos favoritos ao título deste ano? São coisas difíceis pra um cidadão comum explicar, mas estão aí, diante de nós, os fatos a nos desafiar.

A última pesquisa disponível revela, pela primeira vez, uma certa indiferença do brasileiro em relação a uma Copa do Mundo. Este sentimento começou a se evidenciar lá atrás pelo vexame mundial do 7 a 1 contra a Alemanha, revelando que nossa paixão não era correspondida. Devemos refletir profundamente sobre o que está acontecendo com o imaginário nacional.

A frustração do nosso povo com o futebol tem também outras causas recentes, que a todo momento são lembradas pelos recentes escândalos: estádios superfaturados, obras para a Copa e para as Olimpíadas incompletas, paralisadas ou que não aconteceram e desvios de toda ordem.

A Lava Jato demonstrou que tudo tinha conexão com o jeito ultrapassado de se fazer política. O erário público foi assaltado sem pudor e a população não recebeu a contrapartida dos investimentos. A qualidade de vida do brasileiro ficou estagnada, apesar dos gastos exorbitantes com os grandes eventos.

Houve sim manipulação política da Copa da Mundo e das Olimpíadas para atender interesses escusos e mesquinhos que acabaram sendo revelados por escândalos com repercussão internacional. O resultado está aí. O Presidente que conseguiu trazer os dois eventos pro país está na cadeia. O então chefe da CBF, José Maria Marin, está preso nos EUA. Os dirigentes da mesma entidade banidos do futebol. O Governador da sede dos jogos igualmente encarcerado.

Tudo isso causou um forte impacto junto à população em geral e abriu feridas ainda não curadas. Nas ruas, as pessoas estão desconfiadas, têm medo de ser engolidas pela manipulação do que lhe foi apresentado como “legado”, em grande parte fabricado por propagandas enganosas, que acabaram por acobertar, em nome da paixão pelo futebol e pelo esporte, as verdadeiras mazelas nacionais.

Não é de se estranhar que o povo esteja reticente com o futebol e também com a política. A manipulação da opinião pública pela publicidade enganosa, para conquistar votos e vender candidatos, deixou muita gente ressabiada, quando as investigações dos escândalos provocaram um choque de realidade.

Por trás dos grandes eventos, a propaganda sem pudor de vários produtos, como a da cerveja, que usa técnicas subliminares para cooptar jovens e adolescentes.

Quem pensa em ganhar eleições apenas com articulações e conchavos políticos pode repensar sua estratégia. As pesquisas ainda não conseguiram captar os verdadeiros sentimentos dos brasileiros e vão errar feio. A prática da velha política não encontra mais lugar num mundo em que as redes sociais e as mídias eletrônicas dão voz a frustrações e articulam movimentos que paralisam o país. O Estado arcaico parece ter perdido a noção de como lidar com este fenômeno e tem dificuldade de se adaptar aos novos tempos.

Neste ano específico, vivemos uma situação inusitada. Ao contrário da Copa do Mundo da Rússia, que possui favoritos claros, as eleições de 2018 acontecem num cenário absolutamente imprevisível, a menos de quatro meses do pleito.

Segundo as pesquisas, o líder na disputa é um ex-presidente com alta popularidade, preso há dois meses, que pode não ser candidato por ter sido condenado em 2ª Instância. Aliás, as tais pesquisas agora começam a ser olhadas com desconfiança por serem também encomendadas pelo tal “mercado” – com todos os seus interesses, que provavelmente não são os mesmos do país.

Já, no futebol, o Brasil se reergueu com Tite e fez uma pré-campanha impecável. Com 21 jogos pelo Brasil, ele é o comandante com melhor aproveitamento das últimas cinco Copas do Mundo. São 17 vitórias, 3 empates e apenas uma derrota – um aproveitamento de 82%.

Neymar disse, em entrevista recente, que “sonhar não é proibido”. E é nesta expressão de otimismo que gostaria de fazer um paralelo entre o momento da política nacional e o momento do futebol brasileiro. Aliás, sou um otimista por vocação e devo dizer que quem tem medo de tomar gol não deve entrar em campo. E só faz gol quem está na área.

O que resta ao Brasil se não apostar que a bola pode cair em seu colo? Vivemos nos dois campos, no do futebol e no da política, momentos decisivos. É o eleitor que terá de colocar a mão na sua própria consciência e escolher, com sua sabedoria, quem vai governar o país pelos próximos quatro ou oito anos. É o torcedor, com a força da sua garra, que pode empurrar a seleção brasileira para um título capaz de resgatar a autoestima nacional.

  0 Comentários

  Publicações

  Para pensar