50% dos alunos de licenciaturas estão em EAD

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

NÃO DEIXE DE LER

Apenas 0,5% dos cursos de formação de professores a distância tiveram nota máxima.

Vistos com ressalvas por especialistas e como aposta para o setor privado, os cursos a distância já formam mais da metade dos alunos de licenciaturas (53%), os futuros professores brasileiros. Na rede privada, que concentra a maior parte das matrículas no ensino superior, sete em cada dez estudantes (74%) frequentam cursos a distância.

As informações do Censo da Educação Superior de 2019, divulgado nesta sexta-feira (23) pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão do Ministério da Educação, reaquecem a recorrente discussão sobre a baixa qualidade na formação dos professores, seja no ensino presencial ou a distância. Saiba mais sobre o assunto em reportagem de Paulo Saldaña, na Folha de S.Paulo (leia).

Em avaliação federal de 2017, apenas 0,5% dos cursos de formação de professores a distância tiveram nota máxima. O percentual foi de 2,5% na modalidade presencial.

Para o presidente do Inep, Alexandre Lopes, cursos online e presenciais têm resultados similares nas avaliações federais, sem comentar as especificidades da formação docente.”Os resultados dos alunos no Enade tem sido próximos, não da para dizer que é melhor ou pior. E são realidades diferentes [dos alunos], inclusive socioeconômica, maior parte dos alunos do EAD trabalham”, disse Lopes.

Rodrigo Capelato, diretor-executivo do Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras do Ensino Superior), ressalta a necessidade de discussão da qualidade do ensino a distância na formação dos professores. É esperado que o EAD continue crescendo, o que reforça, para Capelato, a necessidade de alterar as regras do MEC de credenciamento exclusivo para EAD para evitar concentração de oferta. Hoje, somente 308 instituições privadas oferecem a modalidade, contra 1.998 que não têm liberação.

Vale lembrar que a proporção de adultos com ensino superior no Brasil é uma das piores do mundo, atrás de países como México, Argentina, Colômbia, Chile e Turquia. No Brasil, 14,3% dos adultos entre 55 e 64 anos têm ensino superior, o que chega a 21,3% na faixa etária entre 25 a 34 anos.

No México, por exemplo, a proporção entre os mais velhos é até menor que no Brasil, mas chega a 23,6% na faixa etária de 25 a 34 anos. É de 29,9% na Colômbia, nesse mesmo intervalo de idade, de 33,7% no Chile, 35,3% na Turquia e de 40% na Argentina.

  Publicações

  Para pensar