Pesquisar

tempo de leitura: 2 min salvar no browser

{ NÃO DEIXE DE LER }

As plantas brasileiras quase extintas que movem mercado milionário no Instagram

Por conta da extração predatória e do contrabando, algumas correm sério risco

Samuel Gonçalves, colecionador de plantas: material causa reações controversas

 

Texto: Estação do Autor com BBC News Brasil

Edição: Scriptum

 

Por conta da extração predatória e do contrabando, algumas plantas nativas brasileiras foram praticamente extintas de seus habitats. Apesar disso, muitas delas são comercializadas em redes sociais por colecionadores e vendedores, alcançando cifras que podem chegar aos R$ 150 mil reais.

Leia na reportagem de João Fellet e Felix Lima para o site BBC News Brasil como hoje é muito mais provável encontrar algumas espécies brasileiras no Instagram do que em seus ambientes naturais.

O crescente interesse pelo cultivo de plantas ornamentais dentro de casa alimenta um mercado global. No exterior, plantas raras brasileiras desfrutam de status especial. Um exemplo desse fenômeno é uma trepadeira nativa da região serrana do Espírito Santo batizada com o nome Philodendron spiritus sancti. Basta uma breve pesquisa no Instagram para aparecer em sua tela mais de 4 mil resultados. A trepadeira capixaba é uma das espécies mais visadas por contrabandistas e está na Lista Vermelha do Centro Nacional de Conservação da Flora, pertencendo à categoria “em perigo, sob risco muito elevado de extinção na natureza”.

O colecionador Samuel Gonçalves é responsável pelo canal do YouTube chamado “Um botânico no apartamento”. Ele exibe com orgulho sua coleção de plantas em extinção despertando reações controversas. Leyde Nayane, bióloga pela Universidade Estadual do Piauí e doutora em Botânica pela Universidade de São Paulo (USP), alerta que a extração de plantas de seus ambientes naturais gera reações em cadeia que impactam vários outros seres.


ˇ

Atenção!

Esta versão de navegador foi descontinuada e por isso não oferece suporte a todas as funcionalidades deste site.

Nós recomendamos a utilização dos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge.

Agradecemos a sua compreensão!