Como São Paulo fracassou ao tentar domesticar seus rios

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

URBANISMO

 

 

 

As agruras vividas pelo paulistano nos últimos dias podem ser explicadas pela maneira desastrada como a cidade, ao longo de sua história, tentou domesticar uma de suas maiores riquezas naturais, os rios, conforme revela reportagem da edição brasileira da DW Alemanha (leia a íntegra aqui).

De acordo com o Mapa Hidrográfico do Município de São Paulo, levantamento da prefeitura, há 287 rios, riachos e córregos na capital. Especialistas ouvidos pela DW Alemanha, como o geógrafo Luiz de Campos Júnior, do projeto Rios e Ruas, acreditam que o número é subestimado – se forem considerados todos os afluentes menores, a malha fluvial paulistana dobraria em quantidade.

A relação do paulistano com seus rios sempre foi de amor e ódio. Autor da tese de doutorado Viver e Morrer em São Paulo, defendida na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o historiador Luís Soares de Camargo lembra que a própria escolha do local para a criação da vila que originou a cidade baseou-se na proximidade de dois cursos d’água: o Anhangabaú e o Tamanduateí. “Serviam para a pesca e para levar embora o esgoto e o lixo produzido”, relata.

“Tais rios, que eram tão importantes, passaram a ser fator de medo e apreensão por conta dos perigos que passaram a representar”, afirma. “Assolada por epidemias, a população entendia que áreas pantanosas ou as várzeas úmidas dos rios eram um criadouro de doenças.”

“Não por outro motivo a elite sempre escolhia os altos para sua residência. No caso de São Paulo, Higienópolis – a cidade da higiene – se contrapunha ao insalubre Brás, na várzea do Tamanduateí”, diz. Foi por isso que, ainda em 1850, o Anhangabaú tornou-se o primeiro rio canalizado de São Paulo. “No início do século 20, o grande projeto de canalização do Tamanduateí estava sendo completado – e a área ‘saneada’ foi transformada em um grande parque, o Dom Pedro 2º. O Tamanduateí, é claro, foi retificado e canalizado.”

Assim, São Paulo começava a matar seus rios.

  Publicações

  Para pensar