Dono de corretora morre e usuários ficam sem US$ 190 milhões

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

CRIPTOMOEDAS

 

Cerca de 115 mil usuários que possuíam um total de US$ 190 milhões em criptomoedas tiveram acesso congelado às suas contas da plataforma canadense QuadrigaCX depois que seu fundador, Gerard Cotten – a única pessoa com a senha para acesso aos ativos digitais – morreu repentinamente em dezembro, publica o site do Estadão com base em informações da agência Reuters.

Cotten morreu aos 30 anos devido a complicações com a doença de Crohn, enfermidade que provoca inflamação no sistema digestivo, enquanto fazia voluntariado em um orfanato na Índia, de acordo com a página do Facebook da Quadriga CX, que anunciou sua morte em 14 de janeiro.

Segundo documentos judiciais, o fundador da empresa era a única pessoa que podia transferir ativos da corretora entre a “carteira fria” da empresa — tipo de sistema de armazenagem offline  – e seu servidor on-line. Para evitar roubos de hackers, o total de criptomoedas disponíveis no servidor on-line era baixo.

O laptop pessoal de Cotten era criptografado. Sua viúva, Jennifer Robertson disse que consultou um especialista que teve “sucesso limitado em recuperar algumas moedas e algumas informações” dos outros computadores e telefones celulares de Cotten, mas a maioria permanece intocada em seu computador principal. A empresa não tinha contas em bancos e usava serviços terceirizados para administrar pagamentos e saques.

Os problemas de Quadriga destacam os desafios únicos das criptomoedas, disse Dean Skurka, vice-presidente da plataforma rival Bitbuy.ca, em entrevista à Canadian Broadcasting Corp. “Isso realmente destaca a necessidade de o governo agir e regular as trocas de criptomoedas”, disse Skurka.

Leia a íntegra da reportagem no Estadão.

  Publicações

  Para pensar