Interiorização é esperança para venezuelanos no Brasil

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

NÃO DEIXE DE LER

 

 

Venezuelanos contemplados pela Operação Acolhida embarcando. (Acnur / Divulgação)

 

Criada para receber refugiados venezuelanos que chegam ao Brasil desde 2018, a Operação Acolhida celebra a marca de 50 mil venezuelanos interiorizados. A iniciativa do governo brasileiro, de acolher os imigrantes, surgiu como resposta emergencial ao fluxo migratório decorrente da crise no país vizinho. A operação conta com o suporte de uma rede de organizações da sociedade civil articuladas com o apoio do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). Reportagem de Leo Rodrigues para a Agência Brasil de Notícias, destaca a iniciativa que reforça a vocação do Brasil para lidar de maneira positiva com migrantes e refugiados.

Desde o início da crise humanitária, em 2017, o Conare (Comitê Nacional para os Refugiados) já concedeu refúgio a 46 mil venezuelanos. De todos os refugiados em solo brasileiro, cerca de 80% vieram da Venezuela. Na América Latina, o Brasil é a nação que reconheceu o maior número de refugiados provenientes do país vizinho.

A interiorização pode se dar em várias modalidades. Na mais comum, denominada institucional, pessoas sozinhas ou junto com a família vão para um dos centros de acolhida e de integração apoiados pelo Acnur, que existem em diferentes cidades de 13 Estados. Lá eles são abrigados geralmente por três meses e recebem apoio para se inserir na nova sociedade. Outra modalidade é voltada à reunificação familiar, quando já existem parentes morando em outros Estados. Nesse caso, o governo assegura a logística para o reencontro. A terceira modalidade, de reunião social, é similar e ocorre quando o migrante já tem amigos ou conhecidos vivendo no Brasil e dispostos a acolhê-lo em sua residência.

Por fim, existe uma última possibilidade, quando alguma empresa se interessa em contratar venezuelanos que estão em Roraima. Nesse caso, há um procedimento rigoroso adotado pela Operação Acolhida, que começa com o levantamento de perfis e com o recrutamento e envolve ainda a avaliação das possibilidades de moradia no local de destino.

  Publicações

  Para pensar