O que deu errado com a geração dos millenials?

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

NÃO DEIXE DE LER

Geração tinha tudo para ser mais próspera, mas enfrentou algum tipo de grande recessão, demissões em massa, inflação, estagnação salarial e aumento no custo de vida.

 

Você sabe o que é a geração dos millennials? Ela foi a primeira a conviver desde cedo com computadores pessoais, smartphones, internet e o fluxo global de informações. Além disso teve mais anos de educação em relação a seus pais. Os millenials tinham a perspectiva de uma vida mais próspera.

A idade dos millennials varia entre 26 e 40. Pesquisas internacionais apontam que eles são mais propensos a ter dívidas do que seus antepassados e levam mais tempo, em média, para sair da casa dos pais ou para atingir marcos tradicionais da vida adulta, como comprar um imóvel ou carro próprio.

Reportagem de Paula Adamo Idoeta para o El País mostra o que levou essa geração desconectada entre expectativa e realidade a ser alvo de memes ou comentários depreciativos na internet sobre seu aparente “fracasso”, “preguiça” ou dependência maior em relação aos pais.

Para Jason Dorsey, especialista em perfis de millennials e presidente da empresa americana Center for Generational Kinetics, que pesquisa hábitos globais de millennials e da geração Z, esta geração, de alguma forma, estava no lugar certo e na hora certa para desenvolver grandes ideias.

De muitas formas, os millennials estavam posicionados para serem bem-sucedidos. Pelo menos foi o que disseram a eles. Mas a realidade é que muitos deles se chocaram com algum tipo de grande recessão, demissões em massa, inflação, estagnação salarial e aumento no custo de vida.

Mas nem tudo vai mal para essa geração. Ela é mais aberta à diversidade e mais atenta ao impacto de seus hábitos de consumo do que as gerações anteriores. É também a primeira geração que começa a tomar atitudes contra a desigualdade profissional e salarial entre homens e mulheres. Além de valorizar muito o empreendedorismo, mais do que seus pais ou avós.

  Publicações

  Para pensar