Quando a pandemia de covid-19 vai terminar?

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

NÃO DEIXE DE LER

Cemitério da Vila Formosa em São Paulo

 

O mundo todo se pergunta quando a pandemia vai acabar. Não se sabe. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda estamos no meio da epidemia global. O fato concreto é que, desde os habitantes da Floresta Amazônica até os arranha-céus de Singapura, passando pelas ruas do Reino Unido, todos estão sujeitos ao contágio. Este é um vírus que prospera com o contato humano. Quanto mais próximos estivermos uns dos outros, mais fácil será a contaminação e mais longe o fim da pandemia. Veja na reportagem de James Gallagher, correspondente da Health and Science, publicada no site da BBC News – Brasil (leia a íntegra).

As nossas vidas se transformaram completamente há pouco mais de seis meses, quando a OMS anunciou a chegada da covid-19. No final de janeiro eram 10 mil casos relatados e mais de 200 óbitos, todos na China. Em pouquíssimo tempo o vírus se alastrou pelo globo.

Hoje, são mais de 20 milhões de casos confirmados e 700 mil mortes. No início eram necessárias semanas para o registro de 100 mil casos. Hoje, esse marco é atingido em questão de horas.

A covid-19 impactou cada país de forma diferente. O que há de comum entre todos é que quanto mais aglomerações, em qualquer ponto do globo que seja, mais rápida é a contaminação. “Esse é um vírus que circula por todo o planeta. Ele afeta cada um de nós. Passa de pessoa para pessoa e sublinha o fato de estarmos todos conectados”, diz Elisabetta Groppelli, da St George’s University of London.

A esperança do mundo está depositada em uma imunização eficiente. Já existem tratamentos com remédios e seis vacinas em estágio de testes clínicos. Esta é uma fase crítica, quando saberemos se as vacinas promissoras vão realmente funcionar.

A doutora Margaret Harris, da OMS, é bastante realista ao declarar: “As pessoas têm essa crença hollywoodiana em uma vacina; que os cientistas vão arrumar tudo. Em um filme de duas horas, o final chega rápido, mas os cientistas não são Brad Pitt se injetando e dizendo ‘nós vamos todos nos salvar'”.

  Publicações

  Para pensar