Pesquisar

tempo de leitura: 2 min salvar no browser

{ NÃO DEIXE DE LER }

Síndrome de Burnout é reconhecida como fenômeno ocupacional pela OMS

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a síndrome de Burnout se refere especificamente a um fenômeno diretamente vinculado às relações de trabalho

 

 

Alguns sinais da síndrome são a sensação de exaustão, falta de energia, além de sentimentos de negativismo, cinismo e distância em relação à área profissional.

 

 

Texto: Estação do Autor com Agência Brasil

Edição: Scriptum

 

A síndrome de Burnout é definida como “resultante de um estresse crônico associado ao local de trabalho que não foi adequadamente administrado”; passou a ser reconhecida como um fenômeno relacionado ao trabalho pela Organização Mundial de Saúde.

A OMS esclarece que a síndrome de Burnout se refere especificamente a um fenômeno diretamente vinculado às relações de trabalho e não pode ser aplicada em outras áreas ou contexto de vida do cidadão. Reportagem publicada pela Agência Brasil de Notícias dá dicas de como proceder a partir do reconhecimento dos sintomas da doença.

Desde 1999 o Ministério da Saúde brasileiro reconhece a síndrome como condição relacionada ao trabalho. Alguns sinais são a sensação de exaustão, falta de energia, além de sentimentos de negativismo, cinismo e distância em relação à área profissional. O advogado trabalhista Vinícius Cascone indica que, a partir do aparecimento dos sintomas, o trabalhador deve procurar um médico para avaliação e ele dirá se o funcionário deve ou não ser afastado de suas funções.

Um exemplo do impacto da síndrome de Burnout é o relato da advogada Lívia Vilela. Em 2011, ela assumiu um cargo em uma empresa pública em processo de sucateamento, com um ambiente de trabalho desfavorável. Some-se a isso uma alta carga de trabalho e responsabilidade, além de uma disparidade salarial entre os trabalhadores da área que integrava. Em 2018 veio o diagnóstico de Burnout. Lívia foi afastada do trabalho e, em seguida, passou a atuar de maneira remota por conta da pandemia. Por fim, com a privatização da empresa pública, ela optou por abandonar a carreira.


ˇ

Atenção!

Esta versão de navegador foi descontinuada e por isso não oferece suporte a todas as funcionalidades deste site.

Nós recomendamos a utilização dos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge.

Agradecemos a sua compreensão!