Pesquisar

tempo de leitura: 4 min salvar no browser

{ psd 10 anos }

Consolidado e com metas ambiciosas para a próxima década

O presidente nacional Gilberto Kassab e lideranças do partido falam sobre o sucesso obtido nos últimos 10 anos e as perspectivas da legenda, que incluem a candidatura própria à Presidência da República em 2022

 

 

Acompanhada com muita ansiedade por todos os que já estavam envolvidos com o processo de criação da nova legenda, a longa sessão do Tribunal Superior Eleitoral no dia 27 de setembro de 2011 trouxe, já à noite, um resultado que provocou muita alegria e alívio: o Partido Social Democrático teve seu registro definitivo aprovado pela corte, com a sigla PSD e o número 55. Era o coroamento de um trabalho iniciado muitos meses antes, esforço que envolveu milhares de lideranças de todo o País.

Passados 10 anos, comemorados neste 27 de setembro de 2021, a sensação é de que tudo valeu a pena. Como destaca o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, em vídeo gravado para o aniversário (veja abaixo), “hoje o partido é um sucesso”. Segundo ele, a trajetória que levou o PSD a se consolidar como um dos maiores do Brasil teve a participação de milhares de pessoas que acreditaram na proposta ao longo da última década, na qual a sigla desenvolveu uma profunda sinergia com a sociedade brasileira.

Hoje com dois governadores, aproximadamente 700 prefeitos e milhares de vereadores, assim como 11 senadores, 35 deputados federais e dezenas de deputados estaduais, o PSD, de acordo com Kassab, se prepara agora para as eleições do ano que vem. “Temos uma legislação que fortalece os partidos que fazem Política com P maiúsculo. A proibição das coligações proporcionais dará a esses partidos a oportunidade de mostrarem sua importância”, afirma, lembrando que a legenda terá candidato próprio à Presidência da República, a governador em diversos Estados, assim como senadores, deputados federais e estaduais.

Nesse sentido, diz ele, o partido continuará apoiando políticas públicas que garantam a saúde e a educação, “condenando os negacionistas com muita ênfase”.

O ex-ministro Guilherme Afif Domingos, fundador do partido ao lado de Kassab, também gravou vídeo (veja abaixo) comemorando a data. Ele relembrou os principais momentos do processo de criação e destacou que o PSD é “um partido que respira democracia”.

Da mesma forma, lideranças do PSD de todo o País se manifestaram nas redes sociais e por meio de artigos publicados em jornais de grande circulação.

O presidente do PSD de Minas Gerais e secretário-geral do PSD Nacional, Alexandre Silveira, por exemplo, destacou no jornal O Tempo, que os números apresentados pela sigla atualmente “revelam a força da coerência e da lucidez com que a legenda se organiza e prepara os planos para o sonhado crescimento do país e o merecido desenvolvimento do nosso povo brasileiro. O PSD tem posição clara na defesa das liberdades de expressão e opinião e do direito do cidadão à informação”.

Ele lembra também que “o partido é, por convicção e princípio, contra qualquer tipo de censura, controle, restrição ou regulamentação da mídia. É intransigente no combate à corrupção e está ao lado do trabalhador, dos jovens, da família brasileira, na defesa do comportamento ético, coerência e honestidade de seus representantes”.

Também fundador do partido, o presidente do PSD em Goiás, ex-deputado federal Vilmar Rocha, publicou no jornal O Popular, de Goiânia, artigo em que afirma: “Nestes dez anos de fundação, o PSD se consolidou como um partido de centro, esquivando-se dos espectros políticos dicotômicos e extremados. Nos colocamos na política contrários aos radicalismos, buscando na convergência, nunca na divergência, encontrar o ponto de equilíbrio”.

 

Nascimento

 

Como lembra Guilherme Afif em seu vídeo de comemoração dos 10 anos da sigla, a primeira certidão de nascimento do Partido Social Democrático é um guardanapo de papel rabiscado. Foi nele que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e o então vice-governador do Estado, Guilherme Afif Domingos, fizeram, na tarde de 18 de março de 2011, em um restaurante no Centro de São Paulo, os rascunhos da sigla e das ideias que se concretizariam como um dos maiores partidos políticos do Brasil.

Naquele momento, o projeto de um novo partido já tomava dimensão nacional e passava a contar com dezenas de simpatizantes Brasil afora, entre governadores, senadores, deputados, vereadores e prefeitos. Dois dias depois, em Salvador (BA), aconteceu o encontro que deu o pontapé inicial à criação do PSD.

Na sequência, em 21 de março, em ato político realizado na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, as diretrizes do PSD foram anunciadas publicamente por Afif.

Vários outros encontros foram sendo realizados em diversos Estados, em eventos que proclamaram o surgimento de um partido moderno, independente, sem rótulos e comprometido apenas com o desenvolvimento da nação, pautado pelos mais profundos princípios democráticos, pela ética e pelo espírito republicano.

Para cumprir as exigências da legislação que rege a criação de partido político – ou seja, resumidamente, a obtenção de registro em Tribunais Regionais Eleitorais de 9 Estados e a anuência de 492 mil eleitores à sua criação – o PSD se movimentou e, com o apoio de milhares de lideranças políticas e simpatizantes de quase todos Estados, em seis meses obteve registros em 18 Tribunais Regionais Eleitorais, todos por unanimidade; recolheu certidões dos TREs que certificam e comprovam oficialmente o apoiamento de mais de 600 mil eleitores.

Naquele 27 de setembro de 2011, o que ocorreu no TSE foi — como bem definiu um título publicado na época neste site do PSD — “uma vitória dentro da lei”. O esforço de milhares de brasileiros estava premiado com o registro de nascimento do Partido Social Democrático, hoje um dos maiores partidos políticos do Brasil.

 

Vídeos

 

Assista aos depoimentos de lideranças do PSD sobre os dez anos de fundação do partido:

Alda Marco Antonio, coordenadora nacional do PSD Mulher

André de Paula, deputado federal por Pernambuco

Angelo Coronel, senador pela Bahia

Antônio Anastasia, senador por Minas Gerais

Carlos Fávaro, senador pelo Mato Grosso

Charles Fernandes, deputado federal pela Bahia

Danrlei de Deus, deputado federal pelo Rio Grande do Sul

Diego Andrade, deputado federal por Minas Gerais

Éder Mauro, deputado federal pelo Pará

Edilázio Júnior, deputado federal pelo Maranhão

Eduardo Paes, prefeito de Rio de Janeiro

Eleusa Coronel, coordenadora do PSD Mulher na Bahia

Fábio Mitidieri, deputado federal por Sergipe

Fábio Trad, deputado federal pelo Mato Grosso do ASul

Francisco Jr., deputado federal por Goiás

Guilherme Afif Domingos, fundador do PSD

Guilherme Campos, fundador do PSD

Jones Moura, deputado federal pelo Rio de Janeiro

Júlio César, deputado federal pelo Piauí

Neucimar Fraga, deputado federal pelo Espírito Santo

Otto Alencar Filho, deputado federal pela Bahia

Patrícia Aguiar, prefeita de Tauá (CE)

Paulo Caleffi, deputado federal pelo Rio Grande do Sul

Paulo Magalhães, deputado federal pela Bahia

Rafael Auad, secretário do PSD Jovem

Reinhold Stephanes Júnior, deputado federal pelo Paraná

Ricardo Patah, fundador do PSD e presidente da União Geral dos Trabalhadores

Robinson Faria, ex-governador e presidente do PSD do Rio Grande do Norte

Vanderlan Cardoso, senador por Goiás

Vermelho, deputado federal pelo Paraná

Vilmar Rocha, fundador do PSD e coordenador de Relações Institucionais do Espaço Democrático


ˇ

Atenção!

Esta versão de navegador foi descontinuada e por isso não oferece suporte a todas as funcionalidades deste site.

Nós recomendamos a utilização dos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge.

Agradecemos a sua compreensão!