Pesquisar

tempo de leitura: 2 min salvar no browser

{ ELEIÇÕES 2022 }

Espaço Democrático debate educação e segurança para o programa de governo em São Paulo

Encontro da série que vem sendo feita pela fundação ouviu especialistas da Todos pela Educação e o sociólogo Tulio Kahn

 

 

Redação Scriptum

 

Educação e segurança pública foram os temas debatidos na tarde da última quarta-feira (15) em mais um encontro da série que o Espaço Democrático – a fundação para estudos e formação política do PSD – realiza em apoio à elaboração do programa de governo de Felicio Ramuth, pré-candidato do partido ao governo do Estado de São Paulo. Educação pública foi assunto para quatro especialistas da Todos pela Educação, organização da sociedade civil, suprapartidária e sem fins lucrativos: Ivan Gontijo, Bernardo Baião, Gabriel Corrêa e Kayli Cappucci. A segurança foi abordada pelo sociólogo Tulio Kahn, consultor do Espaço Democrático. As reuniões foram conduzidas pelo coordenador do programa de governo de Felicio, Marcelo Cardinale Branco, junto com o coordenador de Comunicação do Espaço Democrático, Sérgio Rondino.

Os desafios do próximo governador de São Paulo para mitigar os graves impactos da pandemia na educação pública foram temas da equipe da Todos pela Educação. Gabriel Corrêa destacou três aspectos em particular. O primeiro deles será o enfrentamento da evasão escolar, que cresceu de maneira assustadora depois do longo período de escolas fechadas – “um grave erro”, segundo ele. O suporte emocional não só a alunos, mas também a professores será outro desses desafios. E por último a recuperação dos alunos, com mais tempo nas escolas e materiais didáticos específicos. “São três grandes eixos de curto prazo, conjunturais, que não foram resolvidos em 2022 e deverão ser abordados no próximo ano”, disse Corrêa.

Na outra ponta devem ser enfrentados os problemas estruturais da educação pública. Entre os muitos gargalos existentes e apresentados pela equipe da Todos pela Educação se destacam a necessidade de profissionalização da gestão pública, a valorização e o fortalecimento da profissão do docente e a adoção de uma política estadual de apoio aos municípios para a expansão e qualificação das creches e pré-escolas – hoje, apenas 52% das crianças de zero a três anos tem vaga em creche no Estado, índice muito baixo, embora superior ao do País como um todo: só 37% das crianças nesta faixa etária têm creche no Brasil.

Segurança pública

O sociólogo Tulio Kahn relacionou duas dezenas de propostas que devem ser consideradas em um plano de governo para a segurança pública, área da qual é especialista. Uma delas é a integração dos órgãos do sistema de justiça criminal e as instituições relacionadas à prevenção ao crime. “Não é apenas a integração das polícias civil e militar”, destacou ele. “É também a integração com o setor privado, com as outras secretarias e com os demais níveis de governo”.

Outro ponto levantado por ele foi sobre a necessidade de valorização das carreiras policiais não apenas com melhores salários. “É necessária formação de qualidade, programas de saúde mental – é alto o índice de suicídios entre policiais – e também novos concursos para recompor os efetivos”, apontou.

Kahn lembrou que o combate à desordem e à degradação física e ambiental, à luz da conhecida teoria das janelas quebradas, é ponto importante dentro da proposta de um plano de governo. Ele lembrou uma iniciativa adotada pelas Prefeitura de São Paulo durante a gestão do prefeito Gilberto Kassab, a Operação Delegada, que usava a folga dos policiais em programas de patrulhamento específico. “O resultado foi muito bom”.


ˇ

Atenção!

Esta versão de navegador foi descontinuada e por isso não oferece suporte a todas as funcionalidades deste site.

Nós recomendamos a utilização dos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge.

Agradecemos a sua compreensão!