Pesquisar

tempo de leitura: 2 min salvar no browser

{ DIÁLOGOS NO ESPAÇO DEMOCRÁTICO }

SUS: 32 anos de grandes feitos e muitos desafios

Programa de TV da fundação do PSD entrevistou Luiz Antonio Santini, pesquisador da Fiocruz e especialista no Sistema Único de Saúde

 

 

Redação: Scriptum

 

Apesar de ainda ter graves problemas de financiamento e de enfrentar o grande desafio de aumentar o acesso aos serviços, o Sistema Único de Saúde (SUS) chega aos 32 anos de operação como uma grande conquista da redemocratização do Brasil e também com uma coleção de iniciativas bem-sucedidas. A avaliação é do médico e pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Luiz Antonio Santini, profundo conhecedor do SUS. “Poucos países do mundo têm uma definição tão clara em relação ao compromisso constitucional que definiu a saúde como um direito do cidadão”, disse ele em entrevista ao programa Diálogos no Espaço Democrático, produzido pela TV da fundação do PSD.

Membro Emérito do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Santini dirigiu a Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Fluminense (UFF), da qual foi professor de Cirurgia e de Saúde Pública. Entre 2008 e 2014 integrou o board da União Internacional de Controle de Câncer, em Genebra, e de 2005 a 2015 foi diretor do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Ele apontou “o êxito do SUS no controle de doenças, em estratégias de vacinação, e na oferta de tecnologias”, mas destacou, em especial, o fato de o Brasil ter se tornado “o segundo maior transplantador de órgãos do mundo”.

Ouça a entrevista em podcast

Apesar da lista de sucessos inquestionáveis – “mesmo durante a pandemia de coronavírus”, lembrou – Santini não deixou de destacar os imensos desafios que o SUS tem pela frente. Além do principal deles, de ampliar o acesso aos serviços do sistema a um número maior de pessoas, destacou a dificuldade de gestão sem a participação mais efetiva dos Estados. “A regionalização é urgente”, afirmou. “Hoje a gestão é municipalizada com os 5.570 municípios brasileiros, um modelo superado; os Estados não tiveram participação importante na criação do SUS e precisam resgatar isso, é papel chave para o futuro do sistema”.

A entrevista do pesquisador Luiz Antonio Santini foi dada durante a reunião semanal do Espaço Democrático, nesta terça-feira (8). Participaram do encontro, além do jornalista Sérgio Rondino, que é coordenador de Comunicação do Espaço Democrático e âncora do programa Diálogos no Espaço Democrático, os economistas Roberto Macedo e Luiz Alberto Machado, os cientistas políticos Rogério Schmitt e Rubens Figueiredo, o sociólogo Tulio Kahn, o gestor público Januario Montone, o advogado e empresário Helio Michelini Pellaes Neto, o especialista em gestão Rafael Auad e o jornalista Eduardo Mattos.


ˇ

Atenção!

Esta versão de navegador foi descontinuada e por isso não oferece suporte a todas as funcionalidades deste site.

Nós recomendamos a utilização dos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge.

Agradecemos a sua compreensão!