Capítulo 10 – O Estado moderno e o Estado patrimonial em Max Weber

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

BREVE HISTÓRIA DO PENSAMENTO POLÍTICO

 

 

Antonio Paimfilósofo e historiador (*)

A originalidade do Estado Moderno consiste na obra de centralização do poder de que se desincumbiu, sem precedentes na história do Ocidente. Trata-se de um processo que se estendeu no tempo, sem embargo do que seguiu seu curso de forma inexorável.

Ainda que tenham surgido Estados nacionais (casos de Portugal e Suíça) antes do século XVI, associados ao processo de formação das nações a sua estruturação, na Europa só ganharia impulso com o término da Guerra dos Cem Anos, entre a França e a Inglaterra, ocorrida em 1453. Até então, como dizia a historiadora francesa Regine Pernoud, existiam, alternadamente, monarquias anglo-francesas ou franco-anglicanas.

O projeto de erigir Estado nacional autônomo, com rigorosa delimitação de fronteiras, é obra iniciada, na França, por Henrique IV (1553-1610). Ele ascendeu ao poder em 1589. Protestante, para ganhar o trono e pacificar o país renunciou a essa condição, tendo se tornado famosa a maneira como a anunciou: “Paris vale uma missa”. Deu, assim, início à dinastia dos Bourbon que, além do mais, seria a origem da Casa de Orleans, erigindo assim uma dinastia que governou ininterruptamente até a Revolução Francesa e, depois desta, ainda disputou o poder no século XIX.

Na Inglaterra, Henrique VIIII (1491-1547) desempenharia idêntico papel. Ascendeu ao poder em 1509 e, em 1543, seria proclamado chefe da Igreja Anglicana, rompendo com o Vaticano, principal obstáculo à autonomia dos reis. O papado, por sua vez, saíra combalido do embate com os protestantes, tendo assistido à persistente redução de sua área de influência após o reconhecimento, pelo Sacro Império, do direito de principados alemães de dispor de igrejas reformadas (Paz de Augsburg, de 1555).

Ainda que não haja desaparecido de todo as ambições imperiais englobando toda a Europa (antípoda do Estado nacional), como se verá da emergência de Napoleão, no século XVIII, o Estado Moderno é a grande realidade. Segundo indicamos precedentemente, o Estado Moderno corresponde a uma obra de centralização do poder político em mãos de um único grupo de instituições, criação original do Ocidente.

No mundo antigo – embora não se possam fazer afirmações peremptórias nesse sentido, tantas foram as mediações que se estabeleceram entre suas obras e o acesso a elas de parte da cultura ocidental –, é lícito admitir que as famílias preservaram sempre grandes fatias do poder, inclusive no que se refere à aplicação da justiça. No período feudal, a autonomia local é um fato inconteste. Mesmo quando o contrato de vassalagem adquiriu plena formalização, os príncipes asseguraram-se vários direitos, entre estes o de fazer a guerra no próprio território em que os senhores guardam fidelidade a um único monarca.

O aludido processo de centralização não é impeditivo ao exercício do poder em bases democráticas, consoante a história iria comprovar, no ciclo subsequente à Revolução Gloriosa de 1688. Segundo Max Weber (1864-1920), o aludido processo tem pré-condições, entre as quais sobressai a conquista do monopólio da violência legalizada. Jean Bodin (1520-1596), integrante da plêiade de pensadores autoritários que contribuíram para a constituição dessa nova estrutura social, tendo em vista o Estado Moderno, já teria oportunidade de escrever: “A República é o governo em que as reações entre pessoas e instituições estão submetidas à soberania do Estado”.

Max Weber inovou na análise das formas de dominação. Considerou-as tomando três princípios de legitimação, a que correspondem determinadas estruturas: 1) a dominação legal; 2) a dominação tradicional; e 3) a dominação carismática. Na dominação tradicional estabeleceu dois tipos básicos: o patrimonialismo e o feudalismo.

Como se sabe, Weber não pretendia fazer história, mas, levando-a em conta, isto é, partindo da experiência histórica, recolher elementos para configurar tipos-ideais aptos a explicar a realidade social, não tomada em bloco, mas considerando fenômenos passíveis de delimitação acabada, a exemplo do que faz qualquer ciência.

As formas tradicionais da dominação distinguem-se da moderna pelo modo de sua legitimação, predominando nesta última os procedimentos legais. Contudo, entre os tipos tradicionais aparece, na Europa, o feudalismo do soberano, o que exige o estabelecimento de normas, direitos e deveres nas relações entre as duas instâncias.

Assim, o feudalismo ocidental ofereceu a matriz primitiva a partir da qual se chegou à ideia do pacto político como fundamento da distribuição de poderes, tomada como ponto de referência para a modernização da estrutura tradicional típica, o Estado patrimonial. Neste, as relações de domínio sedimentam-se como o prolongamento dos poderes do patriarca familiar.

Weber afirmou que “a organização política patrimonial não conhece nem o conceito de competência nem o da autoridade ou magistratura no sentido atual, especialmente na medida em que o processo de apropriação se difunde. A separação entre os assuntos públicos e privados, entre patrimônio público e privado, e as atribuições senhoriais públicas e privadas dos funcionários desenvolveu-se só em certo grau, dentro do tipo arbitrário, mas desapareceu”.

Mais explicitamente: “O Estado patrimonial é o representante típico de um conjunto de tradições inquebrantáveis. O domínio exercido pelas normas racionais se substitui pela justiça do príncipe e seus funcionários. Tudo se baseia então em considerações pessoais. Os próprios privilégios outorgados pelo soberano são considerados provisórios”.

(*) Este texto faz parte da série de 10 artigos escritos por Antônio Paim no início de 2021, pouco antes de sua morte

 

Revisão final de Rogério Schmitt

TwitterFacebookWhatsApp

  Publicações

  Para pensar