Pesquisar

tempo de leitura: 2 min salvar no browser

{ NÃO DEIXE DE LER }

Apagão de memória e concentração difícil: o que é ‘névoa cerebral’ e como tratar

Ela pode surgir também após várias noites sem dormir, por causa de certos medicamentos ou como resultado de jet lag

A névoa cerebral também pode ser um sintoma de enfermidades como Doença de Lyme, lúpus e esclerose múltipla e outras

Texto: Estação do Autor com O Estado de S.Paulo /The New York Times
Edição: Scriptum
Um apagão. Repentinamente, o cérebro parece confuso, o raciocínio lento e a memória falha. Esses, somados à falta de concentração constante e dificuldade para realizar tarefas simples e cotidianas, são sintomas de um fenômeno comum conhecido como “névoa cerebral”.
Mesmo não se tratando de um diagnóstico clínico oficial, a “névoa cerebral” pode surgir também após várias noites sem dormir, por causa de certos medicamentos ou como resultado de jet lag. Algumas pessoas também podem apresentar o quadro após uma farta refeição, durante períodos estressantes da vida ou quando passam por grandes mudanças hormonais, como durante a gravidez ou a menopausa.
Reportagem de Knvul Sheikh para The New York Times publicada no Estadão explica como a névoa cerebral afeta a vida dos pacientes, seus sintomas e tratamento.
A névoa cerebral também pode ser um sintoma de enfermidades como Doença de Lyme, lúpus e esclerose múltipla e outras. O termo foi também associado ao comprometimento cognitivo que muitas pessoas que se contaminaram na pandemia de covid-19.
Embora pareça vaga e temporária, pesquisas mostram que a “névoa cerebral” pode afetar algumas pessoas por meses e tende a comprometer um conjunto de habilidades essenciais para planejar, organizar informações, seguir instruções e fazer várias tarefas ao mesmo tempo, denominada função executiva).
Muitos médicos preferem usar o termo “deficiência cognitiva” para dar mais legitimidade médica ao que os pacientes relatam e iniciam o processo de diagnóstico com exames usados para medir a função executiva em doenças graves, como a demência, explica Jacqueline Becker, neuropsicóloga clínica do Hospital Mount Sinai, em Nova York.

ˇ

Atenção!

Esta versão de navegador foi descontinuada e por isso não oferece suporte a todas as funcionalidades deste site.

Nós recomendamos a utilização dos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox ou Microsoft Edge.

Agradecemos a sua compreensão!