Capítulo 9 – Benjamin Constant e a doutrina da representação política por interesses

Compartilhe
TwitterFacebookWhatsApp

BREVE HISTÓRIA DO PENSAMENTO POLÍTICO

 

 

 

Antonio Paim, filósofo e historiador (*)

 

Benjamin Constant (1767-1830) foi o pensador liberal que enfrentou, em caráter pioneiro, as questões teóricas suscitadas pela Revolução Francesa. A primeira delas dizia respeito à denominada soberania geral (ou popular), em nome da qual passou a ser exercido o poder, que além das atribuições clássicas, deveria promover a virtude, mesmo às custas de sucessivos banhos de sangue, como de fato ocorreu.

As emanadas do novo sistema expressariam a vontade geral, conceito popularizado por Jean-Jacques Rousseau. Esse corpo doutrinário, em vista de que emergira na luta contra a monarquia absoluta, chegou a ser batizado de “liberalismo radical”, denominação totalmente inapropriada. No período recente, preferiu-se chamá-lo de democratismo porquanto nada tem a ver com democracia, como se viu da atuação de seus herdeiros totalitários neste século.

Em seu “Princípios de política aplicáveis a todos os governos” (1810), Constant não rejeita a ideia de soberania popular. Mas estabelece que não compete a nenhum indivíduo ou grupo social, em seu nome submeter o restante da população. Ademais, é falso que a sociedade, em seu todo, possua sobre seus membros soberania sem limite.

Depois de proceder a avaliação crítica das teorias defendidas no “Contrato Social”, escreveu o seguinte: “Os cidadãos possuem direitos individuais independentes de toda autoridade social ou política, e toda autoridade que viole esses direitos torna-se ilegítima. Os direitos dos cidadãos são a liberdade individual, a liberdade religiosa, a liberdade de opinião, na qual se compreende a liberdade de imprensa, o usufruto de sua propriedade e garantias contra todo arbítrio”.

E mais: “Os representantes de uma nação não têm o direito de conquista, ou sem o consentimento popular, o uso de poderes sem limites. Deus, se intervém nas coisas humanas, somente sanciona a justiça. O direito de conquista não é senão a força, jamais um direito”. Para limitar a soberania é necessário encontrar instituições políticas capazes de permitir que se expressem os diversos interesses.

No entendimento de Constant, o arranjo institucional que facultará tal possibilidade consiste na monarquia constitucional, subdividida em cinco poderes: o poder real, o poder executivo, a representação da permanência, a representação da opinião e o judiciário.

O Poder Real correspondente ao que, na Constituição brasileira de 1824, foi chamado de Poder Moderador. O que designa como “representação da permanência” equivale ao órgão vitalício e hereditário, que em alguns países correspondia ao Senado e, na Inglaterra, à Câmara dos Lordes.

Comentando esse arranjo institucional, Ubiratan Macedo escreve o seguinte: “Outra tese de Benjamin Constant que teve grande curso seria atribuição de um papel especial ao monarca… que veio a ser conhecido como Poder Moderador. Na fase em que viveu o nosso autor, a questão não se resumia à harmonia entre o Judiciário e o Executivo ou entre este e o Parlamento. A rigor, não existia Parlamento, mas duas Câmaras separadas e frequentemente em conflito. Havia também atritos entre o Rei e seus Ministros, num tempo em que somente na Inglaterra se consagrava a figura do primeiro-ministro. De sorte que tem toda pertinência a ideia de criar-se uma outra magistratura, com atribuições de exercitar a coordenação dos vários poderes, pairando acima deles como árbitro. Essa doutrina deve ser avaliada à luz da circunstância concreta em que apareceu. Em sua época, a ideia era absolutamente válida e, de certo modo, imprescindível, porquanto o sistema de governo constitucional, inaugurador de uma nova realidade de poder descentralizado, ainda não havia formado os mecanismos coordenadores que se criariam de formas múltiplas, segundo a experiência de cada país” (O liberalismo doutrinário, in “Evolução histórica do liberalismo”, Belo Horizonte, Itatiaia, 1987, p. 38).

Constant examinou cada uma das mencionadas instâncias, caracterizando-as e lhes definindo funções específicas. O livro contém uma tese inovadora acerca da representação política, que sobreviveria ao longo do tempo. Trata-se da definição de que seria de interesses. Admite, como avançou Rousseau, a existência de um interesse geral (nacional, digamos), mas recusa a hipótese de que estaria obrigatoriamente contraposto aos interesses individuais e de grupos.

Ao contrário disto, o interesse geral resulta da mediação entre os interesses reais, incumbência da representação política. Ao estabelecê-lo, determina de pronto qual o papel que à Assembleia cabe desempenhar.

Constant postula ainda a existência do que denomina de “interesses de todos”, distintos do interesse geral. Este configuraria esfera de atuação do Estado, enquanto o primeiro deve estar a salvo tanto da ingerência estatal como da negociação. Diríamos hoje que tem em vista os direitos da pessoa, isto é, os direitos civis e políticos (a questão dos direitos sociais ainda não surgira).

Constant exemplifica com a liberdade religiosa, enfatizando que o Estado deve limitar-se a assegurá-la, sem pretender imiscuir-se na escolha individual, direito este que cabe manter a salvo da barganha e da negociação, sendo inalienável.

O livro contém uma análise sistemática de todas as questões relacionadas à nova forma de governo, isto é, ao sistema representativo. Enfatiza a necessidade de delimitar as áreas em que se dará a escolha – o que depois chamou-se de distrito eleitoral, inclinando-se pela eleição em dois graus, sistema que vigorou no Brasil imperial, até a década de oitenta, a exemplo do que ocorria em diversos outros países.

Considera também a extensão do sufrágio, limitando-o como era de praxe na época, bem como o processo eleitoral. Louvando-se da experiência da Revolução Francesa, entende por bem fixar a forma de funcionamento da Câmara, discutindo a iniciativa das leis. O Executivo é igualmente caracterizado, referindo-se inclusive à responsabilidade dos ministros. Não escapam à sua atenção as atribuições do poder municipal e a organização da Forças Armadas num Estado constitucional. Cada um dos principais direitos é considerado de per si.

Bem consideradas as coisas, os “Princípios de Política” fixaram a estrutura que deve ser adotada numa Constituição que se proponha regular o funcionamento do sistema representativo.

 

 

(*) Este texto faz parte da série de 10 artigos escritos por
Antônio Paim no início de 2021, pouco antes de sua morte

Revisão final de Rogério Schmitt

TwitterFacebookWhatsApp

  Publicações

  Para pensar